PreservaSP
17/Agosto/2017, 04:50:14 *
Bem-vindo, Visitante. Por favor faça o Login ou Registe-se.

Login com nome de usuário, senha e duração da sessão
Notícias:


Abaixo-assinado pela criação do Parque de Pinheiros, o 1o. do bairro! Assine e divulgue!


 
   Home   Ajuda Pesquisa Calendário Login Registre-se  
Páginas: [1]   Ir para o Fundo
  Imprimir  
Autor Tópico: Adeus, casarão  (Lida 6588 vezes)
0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.
Tatiane Cornetti
Administrator
Membro Master
*****

Karma: 0
Offline Offline

Mensagens: 729


Ver Perfil Email
« : 10/Fevereiro/2009, 08:29:05 »

Adeus, casarão
CARTA CAPITAL
24/07/2008 16:35:18




O casarão cinzento de janelas sempre fechadas, ao lado do Conjunto Nacional, próximo à avenida Paulista, está prestes a desaparecer. Por vontade dos proprietários, será demolida a construção de 1911, localizada na movimentada esquina da alameda Santos com a rua Padre João Manuel. Com ela, chegará ao fim também a história de vida de dona Emília Mathias Serafim. Lúcida, bem de saúde e a poucos dias de completar 80 anos, ela se prepara para deixar a residência onde entrou aos 14 anos, para ser copeira a 80 mil-réis mensais, e onde vive desde então. (Clique na imagem acima para ver mais fotos do casarão)

Em 66 anos de trabalho, dona Emília abdicou de tudo que não fosse dedicação e afeto à família do Barão e da Baronesa de Bocaina (Francisco de Paula Vicente de Azevedo e Cecília Galvão Vicente de Azevedo, mortos em 1976 e 1974, respectivamente). Ela desenvolveu uma ligação especial com a primogênita Maria Cecília Vicente de Azevedo, falecida em julho do ano passado, aos 93 anos, a quem chama de Minha Santinha. Desde a morte, dona Emília está só.

Nessas seis décadas, a cidade de São Paulo tratou de crescer, “as casas foram desabando, uma a uma”, enfear, “os jardins eram tão lindos”, e ficar estranha, “um aglomerado de gente onde ninguém mais se conhece”. “Tenho saudades de quando a gente andava de bonde. Eu ia até a Igreja Imaculada Conceição, na avenida Brigadeiro, ou descia a rua Augusta, para visitar minha mãe”, diz. “Também ia muito ao cinema, ver John Wayne, Henry Fonda. Gostava dos filmes de caubói e de Fred Astaire”.

Até o casarão, que por muito tempo ostentou paredes cor creme-amarelado e venezianas marrons, tratou de ficar cinza. Sucumbiu. Dona Emília estima que há uns 30 anos a imensa janela da sala de estar não é aberta. O interior, intacto, cheira a casa de vovó. Toda a decoração permanece ao gosto da Baronesa de Bocaina, mãe de Maria Cecília. A mobília estofada, as cortinas de veludo, as rendas nas janelas, os quadros e fotos com molduras douradas. Até a velha harpa ainda repousa na saleta de visitas. Todos os objetos estão numerados e etiquetados, prontos para ser levados dali, o que deve acontecer em poucas semanas.

Dona Emília também irá embora. Não tem escolha. Nem melancolia. “É uma vida, e nada vive para sempre”, ensina. A seu lado, Maria do Rosário, a irmã mais nova, assente e diz, acolhedora: “Minha missão agora é olhar por ela”.

Emília teve parte da perna direita amputada, em 2006, devido a uma trombose, e está em uma cadeira de rodas. Durante a conversa, precisou tomar fôlego algumas vezes para concluir frases longas, sorriu com facilidade e, comedida, espremeu os olhinhos para tentar segurar gargalhadas. Como ao recordar um costume dos patrões: “Nessa casa nunca houve briga, a não ser quando eles jogavam buraco. Era a única hora”, ri, e imita o casal.

De copeira, Emília passou a cozinheira e, por mais tempo, governanta. “A casa vivia cheia, eram cinco filhos, amigos, parentes e políticos”, diz, mencionando Jânio Quadros como presença freqüente. “O doutor Azevedo foi secretário da Fazenda”, afirma, com reservas. Ela lista as datas mais festivas no casarão: o Natal, o 16 de dezembro (casamento dos patrões), o 4 de abril (aniversário da baronesa) e o 20 de abril (aniversário do barão). “No Ano Bom nós sempre folgávamos”, emenda.

Emília não se casou. E mal se deu conta disso. “Nunca fui de namorico. Depois é que percebi que fiquei velha, que passou o tempo, que não vivi”, ri de si mesma. Ela não tem dificuldade, porém, de mencionar qual foi o dia mais marcante de sua vida. Ao completar 50 anos de serviço (em 1992), os patrões lhe ofereceram uma festa em homenagem. Um jantar especial. Nessa noite, ela usou um vestido de seda preto e cinza e um colar de pérolas que Maria Cecília lhe dera. “Nunca me senti tão agradecida, tão feliz e importante”, diz.

As duas, Maria Cecília e Emília, eram muito próximas. Todas as noites “depois que os anjos baixam as asas”, ou seja, quando até os empregados se recolhiam para dormir, elas se sentavam na copa para papear. Combinavam o dia seguinte, falavam da família, riam. “Às vezes íamos até 1h30 da manhã. Depois ela ainda queria cochilar na poltrona, mas eu dizia, ‘Vai dormir, mulher!’”, diverte-se Emília para, em seguida, calar-se. Faz uma pausa, olha para o teto, engole seco. “Infelizmente, ela não está mais aqui”, diz, emocionada.

Por conta da dificuldade de locomoção, Emília passou para Maria do Rosário a incumbência de manter uma tradição iniciada em meados dos anos 1950 por Maria Cecília. Todas as manhãs, de 90 a 100 moradores de rua recebem um copo de café com leite e um pão com manteiga. Pontualmente às 7h30, exceto aos domingos.

A rotina não mudou, mas ficou prejudicada durante os três dias em que o casarão viveu um turbilhão que Emília jamais imaginou. Em maio do ano passado, com a patroa ainda viva, a governanta foi convidada a fazer os doces oferecidos ao papa Bento XVI, em visita ao País. Doceira de mão cheia, ela executou as receitas tradicionais “com massa de ovos mesmo, gema e açúcar, não como se faz hoje”, ensinadas por Maria Cecília, que é sobrinha-tetraneta do Frei Galvão. No Brasil, o pontífice canonizou o religioso.

Cozinhar para o papa foi uma surpresa e uma honra. “Deus que me perdoe, mas, quando o vi na televisão pela primeira vez, não fui muito com a cara dele”, confessa, rindo. Emília ainda cultiva uma religiosidade tão perdida no tempo quanto o seu estilo de vida. Todas as tardes, por volta das 16h30, o padre Pascoal, “o capelão da família”, bate às portas do casarão. Ele traz a hóstia e uma batina improvisada. Juntos em um canto reservado, Emília e o padre rezam, ela comunga, ele se vai.

Na copa, no fim de tarde, o ruído dos ônibus e carros na alameda Santos faz questão de nos lembrar que estamos, ao contrário do que tudo indica, em 2008. Hoje é a copeira Maria de Lourdes Assunção, de 65 anos, quem serve Emília e a irmã. “Elas são muito boas, Nossa Senhora, não existe igual”. A auxiliar de enfermagem Elaine Sales de Oliveira, de 26 anos, diz o mesmo. “É uma honra cuidar dela. Graças a Deus, ela está bem, só fazemos os controles.”

Dona Emília despede-se. Fica na copa, onde se sente mais em casa. Sentada bem em frente à mesinha na qual passou tantas madrugadas com a patroa. Quando os anjos baixarem as asas, estarão juntas de novo.

(reportagem originalmente publicada na edição 484, de 27 de fevereiro de 2008)


LINK:
http://www.cartacapital.com.br/app/materia.jsp?a=2&a2=6&i=193
« Última modificação: 10/Fevereiro/2009, 08:38:56 por Tatiane Cornetti » Registrado
Páginas: [1]   Ir para o Topo
  Imprimir  
 
Ir para:  

Powered by MySQL Powered by PHP Powered by SMF 1.1.4 | SMF © 2006, Simple Machines LLC XHTML 1.0 Válido! CSS Válido!