PreservaSP

PreservaSP => Casarões da Alameda Santos => : Tatiane Cornetti 11/February/2009, 09:21:24 AM



: História - Barão da Bocaina
: Tatiane Cornetti 11/February/2009, 09:21:24 AM
História - Barão da Bocaina

Francisco de Paula Vicente de Azevedo
José Luiz Pasin

Nasceu em Lorena, no dia 8 de outubro de 1856, filho do Coronel José Vicente de Azevedo e de Angelina Moreira de Castro Lima. Aos treze anos de idade, órfão de pai, foi estudar em São Paulo, levado por seu tio, o Dr. Pedro Vicente de Azevedo. Nomeado Coletor de Rendas Gerais de Lorena, em 1876, dedicou-se à política, à indústria e ao comércio. Em 1880, assumiu a chefia do Partido Conservador em Lorena, sendo eleito vereador e depois presidente, cargo que ocupou até a proclamação da República. Fazendeiro nos municípios de Lorena, Piquete, Guaratinguetá, Cunha, Pindamonhangaba e Itajubá, foi um dos pioneiros na introdução do trabalho livre em suas propriedades, promovendo o estabelecimento de várias colônias agrícolas para imigrantes, como a de Canas (Lorena), Quiririm (Taubaté) e Sabaúna (Mogi das Cruzes), a primeira das quais foi organizada por ele e dirigida gratuitamente. Em 1861, adquiriu uma grande extensão de terras na serra da Mantiqueira, no atual município de Delfim Moreira, onde fundou a fazenda de São Francisco dos Campos do Jordão, considerada uma fazenda modelo, elogiada em publicações diversas no Brasil e no exterior. Foi um dos fundadores do Engenho Central de Lorena, sendo agraciado pelo Imperador Dom Pedro II com a Comenda da Imperial Ordem da Rosa e, no dia 7 de maio de 1887, com o título de Barão da Bocaina. Quando na presidência da Câmara Municipal de Lorena, dotou a cidade com uma linha de bondes, plantou as palmeiras imperiais, construiu o cemitério municipal e uma ponte de ferro sobre o ribeirão Tabuão. Passando a residir em São Paulo, foi um dos fundadores e diretores do Banco Comércio e Indústria de São Paulo, e diretor do Banco de Crédito Real, do Banco Comercial de São Paulo e da Companhia Melhoramentos de São Paulo e de outras grandes empresas. Foi membro da Comissão Executiva da nova Catedral de São Paulo e Diretor dos Correios e Telégrafos. Com a proclamação da República, retirou-se da vida política, excursionando pela Europa, de onde regressou trazendo idéias e projetos progressistas, entre os quais a introdução da correspondência expressa no Brasil. Em suas terras de São Francisco dos Campos do Jordão, fundou a primeira estância climática e um sanatório para tuberculosos, introduzindo a cultura de frutas européias, plantando 5.000 pés de marmelo. Na presidência Campos Salles doou as terras necessárias para a instalação de uma Fábrica de Pólvora, em Piquete, e para a construção de um Sanatório Militar, em Lavrinhas. Na presidência Rodrigues Alves, assumiu a Coletoria Federal de São Paulo e reorganizou o serviço de arrecadação das rendas federais. Em 1910, foi um dos membros da Comissão das Novas Avenidas de São Paulo, elaborando o primeiro plano para a remodelação e urbanização da capital do Estado. Em 1912, organizou a Companhia "Águas Minerais Santa Rosa", em Campos Novos de Cunha. Em 1918, solicitou ao Governo Federal a reconstrução da estrada Lorena-Mambucaba. Batalhou pela construção de uma Usina Siderúrgica no Vale do Paraíba e pela eletrificação da Estrada de Ferro Central do Brasil. Foi o fundador da vila, hoje município de Canas, e o responsável pela elevação de Cachoeira Paulista a cidade, com o nome de Bocaina.
Católico fervoroso, em 1926 foi eleito provedor da Santa Casa de Misericórdia de Lorena, sendo também provedor da Irmandade de Nossa Senhora da Piedade de Lorena e da Irmandade do Senhor dos Passos, em São Paulo. Por ocasião do centenário do seu nascimento, foi homenageado pelo Governo Federal, com um selo comemorativo e sessões solenes na Câmara dos Deputados, na Assembléia Legislativa de São Paulo e por toda a imprensa de São Paulo, do Rio de Janeiro e do Vale do Paraíba. A Câmara Municipal de Lorena prestou-lhe significativa homenagem em sessão presidida pelo governador Jânio Quadros, inaugurando seu retrato no salão nobre da Edilidade. Na Agência dos Correios de Lorena foi usado um carimbo especial e inaugurada uma placa de bronze alusiva à efeméride. Na ponte de ferro sobre o ribeirão Tabuão, à rua Coronel José Vicente, por ele oferecida à cidade, em 1857 foi colocada uma placa com seu nome. "Foi o Barão da Bocaina sem dúvida o mais progressista dos conservadores e o mais populista dos nossos aristocratas...". O Comendador Francisco de Paula Vicente de Azevedo casou-se a 14 de setembro de 1876, com Julieta Ernestina Pinto Pacca, nascida em Resende a 18 de junho de 1856, filha do Dr. Manoel Thomaz Pinto Pacca e de Virgínia Ernestina de Azevedo Pacca. Teve com ela o filho José, falecido na infância. Casou-se pela segunda vez a 2 de abril de 1891, com Rosa Bueno Lopes de Oliveira, nascida em Sorocaba a 7 de outubro de 1870, filha de Manoel Lopes de Oliveira e de Francisca de Assis Bueno Lopes de Oliveira, tendo os seguintes filhos:

1. Dr. Francisco de Paula Vicente de Azevedo, casado com Cecília Bressane Galvão Vicente de Azevedo;
2. Lavínia Vicente de Azevedo, religiosa carmelita;
3. Eng.º José Armando Vicente de Azevedo;
4. Dr. Geraldo Vicente de Azevedo, casado com Maria de Lourdes Vicente de Azevedo.
Dona Rosa Bueno Lopes de Oliveira, agraciada com o título de Baronesa da Bocaina, foi a última titular feminina agraciada no império. O Barão da Bocaina faleceu em São Paulo, no dia 17 de outubro de 1938, aos oitenta e dois anos de idade, o último titular vivo do Império Brasileiro

Sobre o casarão, ele é de 1911 e o que aconteceu é que a última herdeira do Barão da Bocaina morreu, e então, o imóvel foi dividido entre vários outros parentes que não estavam nem aí a resolveram vender o casarão pra construtora Stan.

Reportagem que, inclusive, cita o PreservaSP:
http://www.preservasp.org.br/forum/index.php/topic,116.0.html
http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20080904/not_imp235923,0.php
http://novaurbis.blogspot.com/2008/09/imvel-do-baro-de-bocaina-foi-vendido.html

Reportagem que cita o PreservaSP e e a Samorcc (a Sociedade de Amigos e Moradores de Cerqueira César, nossa parceira na manifestação):
http://www.estadao.com.br/noticias/geral,demolicao-de-casarao-gera-protesto-nos-jardins-em-sp,319926,0.htm
http://www.preservasp.org.br/forum/index.php/topic,209.0.html


Sorry, the copyright must be in the template.
Please notify this forum's administrator that this site is missing the copyright message for SMF so they can rectify the situation. Display of copyright is a legal requirement. For more information on this please visit the Simple Machines website.