PreservaSP

Nossos temas => Patrimônio Histórico e Urbanismo => : Tatiane Cornetti 07/July/2009, 11:15:13 AM



: Reduto de intelectuais corre risco de fechar
: Tatiane Cornetti 07/July/2009, 11:15:13 AM
Reduto de intelectuais corre risco de fechar
Edison Veiga

Com uma antiga e pesada mobília, o bar tem cara de museu. Nas paredes, quadros originais de Alfredo Volpi (1896-1988), Clóvis Graciano (1907-1988) e Aldemir Martins (1922-2006), entre outros. Escondida no centro de São Paulo, na sobreloja do bloco C de um condomínio comercial no número 324 da Avenida Ipiranga, a sede da Associação dos Amigos do Museu de Arte Moderna é chamada de Bar do Museu. "Hoje somos um clube quase sem sócios, apenas uns cinco ou seis", admite a secretária aposentada Clarice Berto, de 64 anos, presidente da agremiação desde 2001. "Todos morreram ou, pela idade, não frequentam mais."

Verdade é que o bar, que já foi reduto da intelligentsia paulistana, corre risco de extinção por outro problema. O atual síndico do prédio, Edney Cordeiro, decidiu comprar briga com o espaço. Em 2006, sua gestão aprovou, em assembleia, norma que proíbe a entrada de visitantes no prédio a partir das 21h. "Isso reduziu o movimento do bar, que é o que mantém a associação. No fim do ano passado precisamos demitir nosso garçom, que estava conosco há 31 anos", conta Clarice. Há dois meses, novo golpe: agora todo o prédio precisa deixar de funcionar à meia-noite. E nada pode abrir aos sábados. "Estamos perdendo tudo", desabafa.

Após insistentes recados deixados pela reportagem na administração do condomínio, o síndico autorizou que seu assessor jurídico, o advogado Lucas Evangelista Campos, esclarecesse a situação. "O condomínio tem o direito de determinar restrições de horários de funcionamento", afirma. "Trata-se de uma questão de economia doméstica." O caso tramita em juízo. Pesa contra a associação uma enorme dívida de taxas condominiais, de cerca de R$ 30 mil. "O imóvel pode ser leiloado para pagar essa dívida", diz o advogado.

HISTÓRIA
A associação surgiu em 1948, quando o industrial e mecenas Ciccillo Matarazzo (1898-1977) reuniu um grupo de amigos intelectuais com o objetivo de criar um museu de arte em São Paulo. A primeira sede funcionou na Rua Sete de Abril, contígua ao próprio museu - que dez anos mais tarde foi transferido para o Parque do Ibirapuera. Ali foi discutida a criação do Teatro Brasileiro de Comédia, em 1948 - o produtor teatral Franco Zampari (1898-1966) era frequentador.

Nas mesas do bar compareciam com assiduidade os artistas plásticos Aldemir Martins, Alfredo Volpi e Emiliano Di Cavalcanti (1897-1976), o cantor Sílvio Caldas (1908-1998), a escritora Lygia Fagundes Telles, o historiador e crítico de cinema Paulo Emílio Salles Gomes (1916-1977) e os políticos Ulysses Guimarães (1916-1992) e Jânio Quadros (1917-1992).

Artistas costumavam doar quadros próprios para a instituição, dando origem ao rico acervo preservado até hoje. Sílvio Caldas presenteou a associação com dois violões. Um deles está na parede. "O outro eu empresto para quem quiser tocar", garante Clarice.

Em 1978, os associados cotizaram-se para que o grupo tivesse sede própria. Desde então, ocupa a sobreloja do Edifício Investimento, na Avenida Ipiranga. A vocação de difusão artística e cultural é mantida não só pelo rico acervo permanente como pelas exposições temporárias - desde 2005 foram 25 mostras, com curadoria do artista plástico Eurico Lopes. "Privilegio o caráter experimental", afirma. Até agosto, fica em cartaz ali ...E A Cidade, com obras de Andréia Lucena e Lumy Maeda.

Ciente da importância histórica do local, uma nova geração de artistas e produtores culturais tem se esforçado para movimentar o bar. "É um símbolo de São Paulo, por isso procuramos fazer aqui boa parte de nossos encontros", afirma o novelista Leandro Barbieri, de 24 anos, que gravou no bar duas de suas novelas - Nos Tempos da Garoa e Virados Pra Lua, ambas exibidas pelo site www.spetaculos.com.br.

Leandro e um grupo de colegas resolveram buscar algum tipo de ajuda. Por meio do vereador Gilson Barreto (PSDB), foi encaminhado à Secretaria das Subprefeituras um pedido de auxílio ao reconhecimento do valor histórico do espaço. Por enquanto, eles aguardam. "Por mim, o Leandro seria o nosso próximo presidente", derrete-se Clarice, que enxerga nos jovens a esperança de que o Bar do Museu não seja obrigado a fechar as portas.



Publicado no Estadão (06/07/2009)
http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20090706/not_imp398367,0.php


Sorry, the copyright must be in the template.
Please notify this forum's administrator that this site is missing the copyright message for SMF so they can rectify the situation. Display of copyright is a legal requirement. For more information on this please visit the Simple Machines website.