PreservaSP

Nossos temas => Patrimônio Histórico e Urbanismo => : Tatiane Cornetti 02/November/2009, 08:19:24 AM



: O Liceu Coração de Jesus, na região central, decidiu encerrar as atividades
: Tatiane Cornetti 02/November/2009, 08:19:24 AM
Escola amarra janela para impedir que alunos vejam "noias"
Fundado em 1885 e tombado pelo patrimônio histórico, o colégio salesiano funciona em região que abriga centenas de viciados em crack


O Liceu Coração de Jesus, na região central, decidiu encerrar as atividades do ensino médio matutino por falta de estudantes

Apu Gomes/Folha Imagem
(http://i247.photobucket.com/albums/gg124/tatianecornetti/c2810200901.jpg)
Da janela do Liceu Coração de Jesus, no centro de São Paulo, é possível ver usuários consumindo crack pela manhã, enquanto mulher leva a criança para a escola

JAMES CIMINO
DA REPORTAGEM LOCAL

Fundado em 1885 por são João Dom Bosco, com o auxílio da princesa Isabel, o Liceu Coração de Jesus, onde estudaram personagens como Monteiro Lobato, Grande Otelo e Toquinho, definha em meio à cracolândia, área degradada do centro de São Paulo que abriga centenas de usuários de crack.
A presença constante dos "noias" no entorno do liceu espanta alunos novos e, há pelo menos oito anos, tem motivado transferências de estudantes. O problema é tão grave que o colégio, que ocupa uma área de 17 mil m2, tem hoje só 288 alunos -há 30 anos eram 3.000.
A partir do ano que vem, a situação vai piorar, pois o colégio encerrará as atividades do ensino médio matutino.
Em 2008, foi fechado o fundamental vespertino. Há três anos, os cursos superiores e, há oito, não existe mais aquele que foi o primeiro curso de ensino médio noturno da cidade.
O panorama da escola é desolador. A grande quadra central está quase sempre vazia. Não se ouve mais a algazarra das crianças -o lugar parece mais um retiro.
No bloco cuja vista dá para a rua Barão de Piracicaba, salas vazias e empoeiradas. Mesas e cadeiras amontoadas. Uma das lousas tem anotado o horário do remédio de alguém, provavelmente de um dos garotos que não estudam mais lá.
As janelas basculantes foram amarradas com arame pelo bedel Manuel Moran Vinayo, o Manolo, para impedir que os alunos vissem o uso da droga nas calçadas.
"Ano que vem, com sorte, terei 200 alunos. E a mensalidade nem é tão cara. Custa R$ 718 o [ensino] médio. Os alunos que temos, apesar de toda a degradação, têm relação afetiva com a escola e ficam. Mas não conseguimos alunos novos. A fonte secou. Fecho no vermelho todo mês, e quem completa a receita é a congregação [dos Salesianos]", diz o padre Benedito Spinosa, diretor da escola.
Ele conta que o ensino médio deveria ter sido fechado no ano passado. Só não acabou porque as despesas foram bancadas com a renda obtida do aluguel de um bloco para a seguradora Porto Seguro, que usou o espaço para treinar funcionários.
"O ensino médio é muito caro. Exige preparação para o Enem à tarde e, se não tiver muitas turmas, o investimento é muito alto", afirma o padre.

Negros e imigrantes
O liceu, tombado pelo patrimônio histórico, acompanhou as mudanças da cidade. No início, chamava-se Liceu de Artes, Ofícios e Comércio e atendia aos filhos dos imigrantes italianos e dos negros libertos, que estudavam gratuitamente nas oficinas de sapataria e alfaiataria. Mais tarde, serviu como internato para filhos de fazendeiros do café. Depois teve cursos universitários e técnicos.
Hoje, mesmo com todos os problemas, o padre Benedito diz que o liceu não vai fechar. "Não vamos desistir. Educar é a vida dos salesianos e já investimos muito dinheiro aqui. Tenho esperança no ensino integral, que tem aumentado a procura, pois os pais entram de carro no pátio do colégio e deixam as crianças aqui, diferentemente dos jovens do ensino médio, que costumam vir sozinhos e, por isso, acabam sendo vítimas dessa situação de não cidadania, que penetra em seu coração e planta a semente do medo e da indiferença."



Pubicado do TRF: (283/09/2009)
http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff2810200901.htm


: Re: O Liceu Coração de Jesus, na região central, decidiu encerrar as atividades
: Tatiane Cornetti 02/November/2009, 08:25:16 AM
Liceu na Folha II
By vivaliceu
O liceu e o crack

(http://i247.photobucket.com/albums/gg124/tatianecornetti/c2810200901.jpg)

DA JANELA do Liceu Coração de Jesus, os alunos podem ver grupos de viciados em crack consumindo a droga na calçada em frente, em plena manhã. A imagem, registrada em reportagem publicada ontem por esta Folha, ilustra um problema social e de saúde pública crônico, associado por sua vez à deterioração de parte do centro de São Paulo.
A reportagem mostrava como o tradicional colégio dos padres salesianos, fundado em 1885, vem sofrendo os efeitos da degradação de seu entorno. Tinha 3.000 alunos há 30 anos; hoje conta com 288 e tem sido obrigado a fechar alguns cursos.
É simbólico e triste que Monteiro Lobato (1882-1948), o maior nome da nossa literatura infantil, tenha feito no Coração de Jesus parte de sua formação.
No destino incerto do liceu, estão entrelaçados o drama do crack e o estado de abandono da chamada cracolândia. São problemas associados, que demandam ações complementares, mas também discernimento daqueles que governam a respeito de urgências e prioridades.
A transformação da cracolândia na Nova Luz caminha muito lentamente. Formatado em 2005, o plano de recuperação previa a concessão de incentivos fiscais a empresas que se transferissem para lá. Das 23 habilitadas, só duas se mudaram.
Mais recentemente, a prefeitura conseguiu aprovar o instrumento da concessão urbanística, pelo qual transfere à iniciativa privada a responsabilidade pela desapropriação dos imóveis -cerca de 600 em 28 quarteirões- e a possibilidade de exploração comercial da área recuperada. Em contrapartida, as empresas devem fazer as intervenções públicas previstas no projeto. Se tudo correr conforme os prazos, as obras de revitalização começam em 2011.
Antes disso, parece óbvio, é urgente pôr em prática uma política mais efetiva de combate ao tráfico e um plano para recuperar os viciados, oferendo-lhes assistência.
A polícia, desde junho, tem provocado a dispersão dos usuários. Antes aglomerados, os viciados agora circulam pela região central, espalhados por Santa Cecília, Largo do Arouche, praça da República e Higienópolis. A sensação, por ora, é de que o problema só se espalhou.

CLÓVIS ROSSI



Os cacos de uma cidade
SÃO PAULO - Mais um pedacinho da “minha” cidade está morrendo, o Liceu Coração de Jesus. Não que eu tenha estudado nele ou conhecido alguém que estudou lá. Fui a vida toda aluno de escola pública, mas sabíamos que o Liceu fazia parte das referências em educação particular, para a qual olhávamos, nos anos 50, começo dos 60, com um certo ar de superioridade.
Sim, os alunos da escola pública tínhamos motivos para essa sensação, mesmo que a comparação fosse com escolas de referência do ensino privado.
Que se haja privatizado a excelência já seria um péssimo sinal. Que a antiga excelência privada se desmanche junto com o desmanche da referência que era o centro da cidade é ainda mais doloroso.
Não gosto de saudosismo, não compartilho esse cântico tão argentino de que “todo tiempo pasado fue mejor”, mas não há como não deixar cair uma lágrima por um e outro desmanche.
É verdade que a degradação do centro está longe de ser novidade. O arquiteto Fernando Serapião, em seu artigo de ontem para esta Folha, põe nos anos 60 o início de um dos sinais da decadência, qual seja, a transferência das escolas privadas para longe do centrão.
A cidade nem se deu conta, então, de que estava renunciando a manter seu centro vivo. Veio depois, a partir dos anos 90, uma série de tentativas de revitalização, palavra que por si só indicava a perda dos sinais vitais da área central.
Não deu certo, constata agora Fernando Serapião. Há ainda alguma chance para ter de volta a “minha” cidade? Nos EUA, também nos 90, havia uma onda sobre a decadência do que o jargão chamava de “inner cities”, o centrão, em tradução livre.
Boa parte foi recuperada, ao menos parcialmente. Há alguma maldição que habita São Paulo e faz com que a decadência se sobreponha a um mínimo de civilização?




Painel do Leitor
Liceu na cracolândia
“Congratulo-me com o jornalista James Cimino e com a Folhapela publicação da brilhante reportagem “Escola de Monteiro Lobato definha na cracolândia” (Cotidiano, ontem).
O Liceu Coração de Jesus é um marco inconteste na educação e na cultura nacionais e não pode ser relegado a um plano secundário na história de nossa cidade.
Todos os que tivemos o prazer e a honra de estudar e trabalhar nessa renomada casa de dom Bosco estamos indignados com o descaso das autoridades em relação ao grande problema da deterioração urbana e humana que ocorre há tempos na região central de São Paulo.
Estamos fundando o movimento Viva Liceu para que continuemos a lutar por nossa escola.
Aguardamos muitas adesões de alunos, ex-alunos, pais e professores. Não entregaremos os pontos!
Num país que se deseja grande, não se deixam educandários fecharem as suas portas.”
WALTER NÚÑEZ MARTÍNEZ , professor aposentado do Liceu Coração de Jesus (São Paulo, SP)



Pubicado do Blog do Movimento Viva o Liceu
http://vivaliceu.wordpress.com/2009/10/29/liceu-na-folha-ii/



Sorry, the copyright must be in the template.
Please notify this forum's administrator that this site is missing the copyright message for SMF so they can rectify the situation. Display of copyright is a legal requirement. For more information on this please visit the Simple Machines website.