PreservaSP

PreservaSP => Comunicado de Imprensa => : Gabriel 23/September/2010, 10:14:02 PM



: Justiça determina que Governo do Estado recupere Quartel Histórico no centro
: Gabriel 23/September/2010, 10:14:02 PM
(http://img512.imageshack.us/img512/1699/parquedpedroii105.jpg)

Em ação civil pública movida pela Associação Preserva São Paulo, o MM Juiz da 11a. Vara da Fazenda Pública, Doutor Domingos de Siqueira Frascino, concedeu liminar determinando que o Governo do Estado realize diversas obras emergenciais que visem à salvaguarda do Quartel do II Batalhão de Guardas, no Parque Dom Pedro, um dos mais antigos e veneráveis prédios da nossa cidade, e que estava abandonado há vários anos por seu proprietário - o próprio Estado de São Paulo.
 
Com essa decisão, fica assegurada a sobrevivência desse tesouro histórico, cultural, arquitetônico e paisagístico de valor inestimável, tombado pelo Conpresp e pelo Condephaat, para as futuras gerações. Sobrevivência esta ameaçada pelo terrível grau de deterioração do imóvel, que aumentava dia após dia, inclusive com risco de desabamento e perda total.
 
Esta pequena porém significativa vitória é uma decorrência da luta de todos nós diretores, conselheiros, associados e colaboradores do Preserva São Paulo - um punhado de apaixonados incorrigíveis por nossa arquitetura e nossa cidade, e que fazem das tripas coração para contribuir da melhor forma possível pela melhoria do lugar em que vivemos. Destaco aqui também o importante papel da sempre atuante Promotoria do Meio Ambiente, na pessoa do Dr. Edvar, que atua como custus legis na ação.

Fotos recentes do Quartel do II Batalhão de Guardas:

(http://img837.imageshack.us/img837/9396/quartel14042010keinyand.jpg)

(http://img831.imageshack.us/img831/351/knyquartel13keinyandrad.jpg)

(http://img814.imageshack.us/img814/351/knyquartel13keinyandrad.jpg)


: Justiça exige revitalização de quartel de 1860
: Tatiane Cornetti 26/September/2010, 03:19:52 PM
Justiça exige revitalização de quartel de 1860
Estrutura no Parque Dom Pedro II está degradada desde 1995; governo do Estado tem de apresentar projetos de recuperação

A Justiça de São Paulo concedeu anteontem liminar que obriga o governo estadual a revitalizar a antiga sede do 2.º Batalhão de Guardas, no Parque Dom Pedro II, centro de São Paulo, símbolo da degradação do patrimônio público. A decisão sobre a ação civil pública impetrada pela Associação Preserva SP, depois de reportagem publicada pelo Estado em abril, determina uma série de medidas emergenciais para preservar o imóvel.

De acordo com a liminar, o governo tem 60 dias para descupinizar o conjunto e instalar equipamentos de combate a incêndios. Já em 90 dias, será preciso terminar o laudo de avaliação estrutural do prédio, para sanar goteiras e infiltrações. Por fim, o governo estadual tem 120 dias para escorar pisos e alvenarias passíveis de desabamento e reparar o telhado. Até abril do ano que vem, será preciso apresentar um laudo com todas as diretrizes do restauro - caso alguma determinação não seja cumprida, a Justiça fixou uma multa de R$ 50 mil por dia.

"Na ação civil pública, anexamos a matéria do Estado para mostrar o abandono do quartel, é um estado lamentável", diz Jorge Eduardo Rubies, presidente da Associação Preserva SP."O que está acontecendo é que o governo está negligenciando várias de suas funções, e uma delas é cuidar do patrimônio público."

Para ele, a decisão mostra que sociedade civil está se movimentando para obrigar o governo a cumprir suas obrigações. "É preciso preservar o quartel. O órgão de patrimônio estadual obviamente deveria cobrar o governo, mas ele infelizmente não é independente e não vem respondendo de forma satisfatória à degradação da memória da cidade."


História. De símbolo da polícia paulista e do próprio Exército, tombado pelo órgão de patrimônio estadual, o 2.º Batalhão de Guardas se resume hoje a muito entulho, telhados quebrados, infiltrações, cupins, paredes prestes a ruir e memórias esquecidas. É um triste resumo do patrimônio de São Paulo, um bem tombado que ninguém mais se dá conta. Seus arcos, paredes e capela guardam capítulos essenciais da memória da cidade.

Reza a lenda que o prédio do 2.º Batalhão de Guardas foi um presente de d. Pedro I a dona Domitila de Castro, a Marquesa de Santos. Quando chegava a São Paulo, o imperador dormia por ali e, possivelmente, encontrava-se com a marquesa.

O endereço acabou mais tarde sendo transformado na sede de uma chácara da Várzea do Carmo, depois foi ocupado pelo Seminário das Educandas e anos depois pelo Hospício dos Alienados - onde morreu o poeta de Santo Amaro Paulo Eiró, em 1871.

Com o golpe militar, em 1964, o quartel foi tomado pelo Exército, primeiro como sede da 7.ª Companhia de Guarda e depois do 2.º Batalhão de Guardas, reunindo cerca de 900 homens até 1992. A degradação começou a partir de 1995, quando o quartel foi ocupado pelo 3.º Batalhão da Polícia de Choque do Estado de São Paulo. "Temos já projeto para restaurar o imóvel, e vamos conversar com a Justiça para mostrar nossa intenção e acertar os prazos que eles colocaram", diz o coronel Marco Antônio Augusto, chefe do Centro de Comunicação Social da PM.

A ideia da corporação é reformar todo o conjunto para abrigar o Museu da Polícia Militar e o Museu do Corpo de Bombeiros - a previsão inicial, mesmo antes de qualquer análise mais detalhada, é que a revitalização custe R$ 30 milhões e dure até quatro anos. "Vamos fazer um diagnóstico do quartel para saber se cabe restauro naquele prédio."

O Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado (Condephaat) informou que técnicos do órgão fizeram uma vistoria no local em julho de 2009, e que os resultados foram encaminhados para a Secretaria da Segurança Pública. "Pela importância cultural do imóvel, a Secretaria de Estado da Cultura firmou uma parceria com a Secretaria da Segurança Pública para prestar assistência técnica para as licitações, obras de restauro e museografia do local, que vai abrigar o Museu da Polícia Militar."


CRONOLOGIA
De chácara a caserna

1860
Origem
Construído para ser sede de uma chácara, o imóvel é ocupado pelo Seminário das Educandas. Depois, passa a ser um hospício

1930
Polícia
O imóvel passa a ser da antiga Força Pública até que o Exército Brasileiro ocupa o local, após o golpe militar de 1964. A partir de então, passa a acumular soldados - até 1992, eram 900 homens

1995
Batalhão de Choque
O imóvel passa a pertencer ao 3.º Batalhão da Polícia de Choque. Desde então, ele vem se degradando. Hoje, o abandono é visto de longe. Parte do telhado já caiu e absolutamente todos os galpões aparecem deteriorados. O piso está forrado por pó de madeira, símbolo da ação dos cupins.



Publicado no Estadão (24/09/2010)

http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20100924/not_imp614458,0.php



Sorry, the copyright must be in the template.
Please notify this forum's administrator that this site is missing the copyright message for SMF so they can rectify the situation. Display of copyright is a legal requirement. For more information on this please visit the Simple Machines website.