PreservaSP
15/Agosto/2020, 02:45:31 pm *
Bem-vindo, Visitante. Por favor faça o Login ou Registe-se.

Login com nome de usuário, senha e duração da sessão
Notícias:


Abaixo-assinado pela criação do Parque de Pinheiros, o 1o. do bairro! Assine e divulgue!


 
   Home   Ajuda Pesquisa Calendário Login Registre-se  
Páginas: [1]   Ir para o Fundo
  Imprimir  
Autor Tópico: Começam audiências de revisão do plano diretor  (Lida 1694 vezes)
0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.
Tatiane Cornetti
Administrator
Membro Master
*****

Karma: 0
Offline Offline

Mensagens: 646


Ver Perfil Email
« : 22/Junho/2009, 12:30:34 pm »

Começam audiências de revisão do plano diretor
Novas propostas estão abertas para discussão em encontros públicos

Felipe Grandin, JORNAL DA TARDE

Começam hoje as audiências públicas para discutir a revisão do Plano Diretor Estratégico (PDE) da cidade. O que está sendo debatido é uma proposta encaminhada pelo prefeito Gilberto Kassab (DEM) à Câmara Municipal para mudar o plano atual, criado em 2002. O projeto de lei 671/2007 precisa ser aprovado pela maioria dos 55 vereadores para vigorar. Antes disso, no entanto, deve ser discutido e analisado pela população, como determina a lei. É o que os parlamentares prometem fazer até fim do ano.
 
O PDE é a política urbana do município. A legislação que determina como e para onde a cidade vai crescer e se organizar. Na prática, é o primeiro passo para definir o quanto poderá ser construído em cada local da cidade.

Líder do governo na Câmara e relator do projeto, o vereador José Police Neto (PSDB) afirma que a intenção é usar as cinco audiências regionais, nos próximos dias, para apresentar a proposta à população. E, em agosto, o objetivo é fazer o debate em todas as subprefeituras. "A maioria das pessoas nem sabe o que é o plano", afirma. "A ideia é que a população esteja minimamente esclarecida para debater", diz o vereador.

Lucila Lacreta, do Movimento Defenda São Paulo, afirma que participação popular é fundamental para defender os interesses dos cidadãos. "Temos o direito de ser ouvidos e ter nossas reivindicações incorporadas à lei", afirma. Ela sugere que os interessados procurem a associação de moradores de suas regiões para conhecer os problemas e as propostas.

O Defenda São Paulo está no topo de uma lista de 186 entidades da sociedade civil que criticam o projeto da Prefeitura. O grupo acredita que as mudanças extrapolam o permitido pela lei (o atual plano teria vigência até 2012), criando outro plano. Segundo eles, a proposta atende aos interesses do mercado imobiliário ao permitir o adensamento da cidade. Na prática, isso significa aumentar em quantidade e tamanho as edificações em regiões com alta concentração de prédios. "Eles mudaram as diretrizes e objetivos, o que vai contra toda a ideia de planejamento de longo prazo, que é a base do plano diretor", afirma o urbanista Jorge Wilhem, um dos autores do texto em vigor.

Segundo a promotora Cláudia Beré, do Ministério Público, o artigo 293 do PDE proíbe a mudança desses itens. Por isso, há uma ação civil em andamento na Justiça para impedir a continuidade da revisão. "Não se pode fazer um novo plano cada vez que muda o prefeito."

O secretário municipal de Desenvolvimento Urbano, Miguel Bucalem, afirma que as críticas são infundadas. "Não há grande diferença. O que se procurou foi melhorar e dar mais foco ao texto, que era muito abrangente", diz. "Nenhuma das mudanças contribui para o adensamento da cidade."

A discussão do Plano Diretor é uma etapa necessária para se mudar a Lei do Zoneamento. Essa legislação define o quanto e o que poderá ser construído em cada quadra da cidade - se uma casa ou um shopping, por exemplo. "O maior interesse do setor é no zoneamento", afirma Cláudio Bernardes, vice-presidente do Secovi-SP.


GLOSSÁRIO
Operações urbanas: visam a promover melhorias em regiões predeterminadas com parcerias público-privadas
Outorga onerosa: permissão, mediante contrapartida financeira, para construir acima do limite
Área de Intervenção Urbana (AIU): territórios para fins especiais, como criação de áreas públicas ou reurbanização
Zona Especial de Interesse Social (Zeis): áreas voltadas a projetos sociais para a população carente
Zoneamento: divisão do espaço urbano por função (residencial, comercial e industrial), altura e coeficiente de aproveitamento



Publicado no Estadão (22/06/2009)
http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20090622/not_imp390975,0.php

Registrado
Páginas: [1]   Ir para o Topo
  Imprimir  
 
Ir para:  

Powered by MySQL Powered by PHP Powered by SMF 1.1.4 | SMF © 2006, Simple Machines LLC XHTML 1.0 Válido! CSS Válido!