PreservaSP
25/Junho/2019, 03:12:39 am *
Bem-vindo, Visitante. Por favor faça o Login ou Registe-se.

Login com nome de usuário, senha e duração da sessão
Notícias:


Abaixo-assinado pela criação do Parque de Pinheiros, o 1o. do bairro! Assine e divulgue!


 
   Home   Ajuda Pesquisa Calendário Login Registre-se  
Páginas: [1]   Ir para o Fundo
  Imprimir  
Autor Tópico: A destruição da São Paulo industrial  (Lida 15184 vezes)
0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.
Jorge
Administrator
Membro
*****

Karma: 0
Offline Offline

Mensagens: 121


Ver Perfil WWW
« : 20/Julho/2009, 12:01:52 am »

As imagens abaixo foram obtidas através da extraordinária ferramenta do relógio do Google Earth, que permite comparar no tempo as transformações ocorridas num mesmo lugar.

São de antigas zonas industriais da cidade devastadas ao longo da atual década, principalmente após a aprovação do atual Plano Diretor, responsável pelo surgimento de uma bolha especulativa imobiliária sem precedentes na cidade e no mundo. As imagens mostram que nunca se destruiu tanto na cidade como na atual década, e os antigos edifícios industriais foram especialmente atingidos. As grandes áreas ocupadas pelas antigas fábricas são especialmente visadas pelos especuladores imobiliários, para a construção de megacondomínios de luxo.

Trata-se de um enorme equívoco sob todos os aspectos: urbanístico, econômico, social. A experiência demonstra que nenhuma economia pode prescindir do setor industrial: a desindustrialização é sem dúvida um dos principais causadores da atual crise econômica nos EUA e Europa, e a industrialização é o principal fator que está alçando a China à condição de maior potência econômica mundial. A industrialização gera emprego, renda e mercado consumidor, enquanto que a desindustrialização gera desemprego, caos social e degradação urbana.

São Paulo está fazendo o contrário do que deveria: ao invés de lutar para manter suas indústrias, está facilitando a sua demolição pela especulação imobiliária para a construção de megacondomínios de luxo, ou melhor, de enclaves fortificados para a habitação de uma minoria. Mesmo os antigos edifícios industriais que não se prestam mais à função fabril poderiam ser adaptados para uma série de novas funções, especialmente a residencial, sem a necessidade de sua demolição - é o que se faz no mundo inteiro, menos em São Paulo.

É terrível que nossa cidade não esteja aprendendo com os erros cometidos em outros lugares, pelo contrário, está fazendo ainda pior.

Eis as imagens (as datas da primeira foto estão no canto superior esquerdo das imagens; as da segunda foto são sempre de 2009):

1 - Rua Borges de Figueiredo (Mooca)




2 - Rua Cassandoca (Mooca)




3 - Avenida Presidente Wilson (Mooca) - uma enorme quantidade de galpões industriais ao longo de nada menos que 700 metros da avenida simplesmente sumiu!





4 - Radial Leste





5 - Radial Leste II





6 - Avenida Celso Garcia - o prédio recém-demolido em 2002 (no canto inferior esquerdo) era o antigo Cine Roxy, um dos mais interessantes prédios art decô da cidade. Em seu lugar foi construído um templo da Igreja Universal (o prédio com heliporto azul)




7 - Rua Frei Caneca - um dos galpões industriais demolidos, se não me engano, tinha uma foto no livro "Quadro da Arquitetura no Brasil", de Nestor Goulart dos Reis Filho





8 - Ipiranga - praça Alberto Lion - o enorme edifício industrial embaixo foi demolido para a construção de um hipermercado de tamanho semelhante. Que absurdo! Por que não aproveitar o prédio da fábrica?





9 - Avenida Roque Petroni (Brooklin)





10 - Início da Av. Vereador José Diniz




11 - Vila Romana - bairro devastado pela especulação imobiliária





12 - Vila Romana II - Rua Coriolano





13 - Santana - início da Rua Voluntários da Pátria - até pouco tempo cheia de edifícios industriais e prédios antigos, agora só tem estacionamentos




14 - Antiga Cerâmica São Caetano, em São Caetano do Sul - um dos casos mais escabrosos. A tradicional fábrica da Cerâmica São Caetano fazia parte da história da cidade, ocupava uma área gigantesca. Não sobrou nada.




15 - Luz - embora não fosse uma região de galpões industriais, incluí para mostrar a devastação colossal provocada pelas obras do metrô e pelo projeto "Nova Luz". Parece uma cidade bombardeada.




16 - Luz - Rua 25 de Janeiro - Destruição de uma área histórica, atrás da Igreja de São Cristóvão, para a construção de prédios de apartamentos de PÉSSIMA qualidade ambiental.




16 - Campo Belo - embora também não sejam galpões industriais, fiquei impressionado com a destruição ocorrida na Rua Gabrielle D'Annunzio

« Última modificação: 26/Julho/2009, 10:40:51 am por Tatiane Cornetti » Registrado
Páginas: [1]   Ir para o Topo
  Imprimir  
 
Ir para:  

Powered by MySQL Powered by PHP Powered by SMF 1.1.4 | SMF © 2006, Simple Machines LLC XHTML 1.0 Válido! CSS Válido!