PreservaSP
25/Junho/2019, 03:28:01 am *
Bem-vindo, Visitante. Por favor faça o Login ou Registe-se.

Login com nome de usuário, senha e duração da sessão
Notícias:


Abaixo-assinado pela criação do Parque de Pinheiros, o 1o. do bairro! Assine e divulgue!


 
   Home   Ajuda Pesquisa Calendário Login Registre-se  
Páginas: [1]   Ir para o Fundo
  Imprimir  
Autor Tópico: Fim da bolha imobiliária? Condominio de luxo no Brooklyn é cancelado  (Lida 4258 vezes)
0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.
Jorge
Administrator
Membro
*****

Karma: 0
Offline Offline

Mensagens: 121


Ver Perfil WWW
« : 26/Março/2008, 02:54:23 pm »

Camargo cancela empreendimento
Desistência de projeto de luxo por falta de compradores é vista como um sinal do excesso de oferta no mercado

Patrícia Cançado

Numa atitude rara no mercado, a Camargo Corrêa Desenvolvimento Imobiliário (CCDI)decidiu abortar um de seus empreendimentos de alto padrão em São Paulo pela primeira vez na sua história. O motivo: falta de compradores. Em cinco meses, a construtora vendeu apenas 10 das 78 unidades do condomínio Horizontes do Brooklyn, lançado em outubro do ano passado no bairro de mesmo nome. A decisão foi tomada na semana passada após dois meses de discussões internas.

"O produto e o momento não eram adequados. A região é boa, mas ultimamente recebeu muitos lançamentos", afirma o diretor-superintendente da CCDI, Roberto Perrone. "Quem saiu na frente, vendeu. Mas o empreendimento da Camargo chegou atrasado." O executivo admite que sabia do excesso de oferta de imóveis de alto padrão na região, mas, mesmo assim, resolveu seguir adiante.

A CCDI ainda não sabe o que vai fazer com o terreno de 3 mil metros quadrados. É provável que o transforme em um prédio de escritórios comerciais ou em um residencial de padrão mais baixo. O preço dos apartamentos variava entre R$ 660 mil e R$ 1,1 milhão.

A Camargo Corrêa diz que não quis fazer promoções, como é comum em casos como esse. Por dois meses, mandou cartas para moradores da região na tentativa de convencê-los a comprar o apartamento. Não deu certo. Nesse período, apareceram três interessados, mas a própria construtora interrompeu as vendas porque já sabia que o edifício corria o risco de não sair do chão.

A empresa havia gastado R$ 1 milhão com anúncios e estande de vendas e precisa devolver outros R$ 1,4 milhão já pagos em prestações pelos seis clientes. A legislação permite que isso ocorra quando por volta de 30% do empreendimento não é vendido nos primeiros seis meses. "Foi uma decisão difícil de tomar", diz Perrone.

O episódio pode servir como um alerta para o mercado, na opinião do diretor-técnico da Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio (Embraesp), Luiz Paulo Pompéia. "As empresas precisam sair desse estado de euforia. Em algumas regiões da cidade, o mercado já está saturado", diz Pompéia.

Segundo dados da Embraesp, entre março de 2006 e fevereiro de 2008, a região do Brooklyn recebeu 18 lançamentos. Foram apenas três lançamentos de três dormitórios e 15 de quatro. Esses últimos tinham um preço médio de R$ 700 mil e 181 metros quadrados de área útil média. Em 2005, o bairro já havia sido o recordista de lançamentos na cidade. "Os imóveis de quatro quartos, de modo geral, já são preocupantes. Mas as empresas continuam lançando", diz Pompéia.

MUDANÇA DE ROTA
Embora seja raro, o caso da CCDI não é único. No ano passado, a Gafisa decidiu rever um de seus projetos de alto padrão na mesma região. Logo após o lançamento, que ocorreu em julho do ano passado, ela percebeu que o ritmo das vendas já não era tão rápido como o de um outro imóvel seu do mesmo padrão na região.

A Gafisa devolveu o dinheiro aos clientes e, na primeira semana de dezembro, lançou outro empreendimento no mesmo terreno, só que mais simples que o anterior. O Harmonia Campo Belo virou Vision, com apartamentos entre 55 e 100 metros quadrados e que custam de R$ 200 mil a R$ 400 mil. A empresa informa que vendeu 20% das unidades. Foi a primeira decisão do tipo em quatro anos, segundo a construtora.

Para analistas que acompanham os papéis das construtoras na Bolsa, ainda é cedo para falar em bolha no mercado imobiliário. "Parecia que ia ter excesso de oferta no alto padrão, mas os números vêm mostrando o contrário", diz o analista do Santander, Marcelo Millman. "Por enquanto, o que dá para dizer é que a região do Campo Belo e Brooklyn é um pouco mais preocupante. Não é comum abortar projetos. Já vi acontecer, mas não por falta de comprador."



Publicado no Estadão 25/03/2008
http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20080325/not_imp145285,0.php
« Última modificação: 30/Abril/2009, 10:13:37 am por Tatiane Cornetti » Registrado
Páginas: [1]   Ir para o Topo
  Imprimir  
 
Ir para:  

Powered by MySQL Powered by PHP Powered by SMF 1.1.4 | SMF © 2006, Simple Machines LLC XHTML 1.0 Válido! CSS Válido!