PreservaSP
27/Março/2017, 09:41:38 *
Bem-vindo, Visitante. Por favor faça o Login ou Registe-se.

Login com nome de usuário, senha e duração da sessão
Notícias:


Abaixo-assinado pela criação do Parque de Pinheiros, o 1o. do bairro! Assine e divulgue!


 
   Home   Ajuda Pesquisa Calendário Login Registre-se  
Páginas: [1]   Ir para o Fundo
  Imprimir  
Autor Tópico: Casarão vira 'ícone' em ação contra verticalização em Pinheiro  (Lida 2198 vezes)
0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.
Tatiane Cornetti
Administrator
Membro Master
*****

Karma: 0
Offline Offline

Mensagens: 729


Ver Perfil Email
« : 21/Junho/2012, 01:40:22 »

Casarão vira 'ícone' em ação contra verticalização em Pinheiros

Um casarão protegido de ser demolido pela Justiça vai ao chão em Pinheiros (zona oeste de SP). Mas o que poderia ser uma derrota para quem luta pela preservação do bairro acabou gerando efeito contrário.

O grupo Moradores de Pinheiros contra a Verticalização do Bairro coletou até agora 2.000 assinaturas a favor da criação de um parque no local da antiga casa.

"A demolição do casarão virou um ícone do nosso movimento", diz Cláudia Lammoglia, 41, uma das coordenadoras do grupo que tem como símbolo um prédio gigante passando por cima das casinhas do bairro.

Para ela, o fato de o imóvel ter sido demolido, apesar de uma liminar que revogava a decisão, dá mais força para a reivindicação deles.

"Em cada quarteirão há cinco ou seis casas que foram demolidas, a maioria para dar espaço aos empreendimentos comercias", diz.

A moradora reclama que os novos prédios vão descaracterizar o bairro, marcado pelo seu comércio tradicional de móveis novos e antigos.

Os moradores temem outro impacto negativo. A chegada de carros além da capacidade das ruas.

O casarão veio abaixo em 28 de março, dois dias depois de a liminar que impedia a destruição ter sido expedida.

A Associação PreservaSP, que também é do movimento, havia protocolado pedido de tombamento do imóvel no dia 1º de março. Mas isso não garantia a preservação da casa.

Jorge Rubies, da PreservaSP, diz que a casa, em um terreno de 2.000 m² era um "verdadeiro sítio urbano", com arquitetura arrojada para a época. Era o último imóvel do tipo na região, diz.

Um inquérito foi instaurado no 14º DP, em Pinheiros. Pela Lei de Crimes Ambientais, quem destrói bem protegido por decisão judicial fica sujeito a pena de reclusão de 1 a 3 anos e multa.


A construtora Helbor, dona do terreno e de outros lotes no quarteirão, diz que "não tinha conhecimento oficial sobre qualquer decisão que a impedisse dessa ação e nunca recebeu notificação judicial sobre o assunto".

Sobre a relevância arquitetônica do casarão, o arquiteto João Whitaker, professor da FAU-USP, afirma que, tão importante quanto preservar imóveis isoladamente, é manter as características de um bairro, mas que em São Paulo a prioridade tem sido do mercado imobiliário.

"As construtoras fazem prédios em lugares onde a cidade não precisa", diz.



Publicado no site AGÊNCIA DE NOTICIAS
http://www.jornalfloripa.com.br/brasil/index1.php?pg=verjornalfloripa&id=21048
Registrado
Páginas: [1]   Ir para o Topo
  Imprimir  
 
Ir para:  

Powered by MySQL Powered by PHP Powered by SMF 1.1.4 | SMF © 2006, Simple Machines LLC XHTML 1.0 Válido! CSS Válido!