PreservaSP
15/Outubro/2021, 05:16:58 pm *
Bem-vindo, Visitante. Por favor faça o Login ou Registe-se.

Login com nome de usuário, senha e duração da sessão
Notícias:


Abaixo-assinado pela criação do Parque de Pinheiros, o 1o. do bairro! Assine e divulgue!


 
   Home   Ajuda Pesquisa Calendário Login Registre-se  
Páginas: [1]   Ir para o Fundo
  Imprimir  
Autor Tópico: O Legado Desastroso da Gestão Covas  (Lida 480 vezes)
0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.
Jorge
Administrator
Membro
*****

Karma: 0
Offline Offline

Mensagens: 126


Ver Perfil WWW
« : 19/Maio/2021, 09:03:19 pm »

O legado desastroso da gestão Covas


Por Jorge Eduardo Rubies



Passada a comoção pelo trágico e prematuro falecimento do prefeito Bruno Covas, seria oportuno passar a analisar sem paixões não o ser humano Covas, mas sua gestão à frente da maior cidade do Brasil. Primeiramente, meus pêsames à família e meu repúdio à atitude de umas poucas pessoas que estão fazendo comentários de baixíssimo nível neste momento de luto. Ninguém merece passar por essa doença terrível, e morrer tão jovem.

Dito isso, vou me apresentar: há 15 anos faço um trabalho voluntário e apartidário em defesa da cidade de São Paulo, sendo que nesses 15 anos ajuizei ações civis públicas ou ações populares contra todos os prefeitos desse período, além de alguns vereadores corruptos. Acompanhei de perto o trabalho dos vereadores e assisti a dezenas de sessões da Câmara Municipal, o que me deu um razoável conhecimento do grau de podridão da política paulistana, dominada por máfias.  E infelizmente tenho que dizer que a gestão Covas representou o ponto baixo da Prefeitura de São Paulo em seus 122 anos de história, superando até mesmo seu antecessor condenado na Justiça, Fernando Haddad.
Para demonstrar meu ponto de vista, todos os fatos que irei apresentar foram documentados e divulgados pela imprensa.

Um fato grave, embora pouco divulgado, da gestão Covas foi a nomeação de... amigos de balada para cargos-chave na administração, entre eles a eminência parda da prefeitura, Gustavo Pires, que também conseguiu a nomeação da própria mãe para um cargo de confiança. Tal fato deu o tom da falta de seriedade dessa administração, que mais parecia uma reunião de adolescentes do que o governo de uma das maiores cidades do mundo.

Além dos amigos de balada e de seus parentes, os 7 mil cargos em comissão e quase 30 secretarias foram loteados entre os vereadores cupinchas do prefeito e os 11(!) partidos da coligação que o elegeu. Por outro lado, funcionários da gestão anterior com perfil técnico, como o secretário da educação Alexandre Schneider, foram sumariamente demitidos e substituídos por amigos, parentes de amigos e aliados de ocasião, entre eles diversos acusados de corrupção, como o ex-senador Aloysio Nunes. Como era de se esperar, tais escolhas baseadas em critérios nada republicanos tiveram um efeito deletério na qualidade dos serviços municipais.

Ao mesmo tempo em que inchava a máquina municipal com amigos de balada e indicações políticas, Covas cortou nada menos que 4800 vagas de assistência social. Os cortes de 240 milhões de reais em verbas e o completo sucateamento da área de assistência social levaram o Secretário José Castro a pedir demissão em protesto. Enquanto as verbas da área social eram cortadas sem dó, sobravam verbas para aumentar privilégios e mordomias, como por exemplo a criação da chamada “bolsa luxo” que criou supersalários na elite da máquina municipal. Os funcionários de carreira da prefeitura permanecem com os salários congelados há anos.

A influência de assessores incompetentes, além do próprio voluntarismo do prefeito, levaram a algumas decisões catastróficas, como o megarrodízio veicular que comprovadamente aumentou o número de contágios e mortes pelo coronavírus. No combate ao vírus a gestão Covas foi um fracasso, que somado aos erros e omissões dos governos estadual e federal fizeram com que a cidade de São Paulo se tornasse um dos epicentros mundiais da pandemia.

Uma decisão muito mal explicada foi o aumento dos repasses bilionários da prefeitura às empresas de ônibus, enquanto parte da frota era retirada de circulação, o que levou à superlotação dos ônibus mesmo nas fases mais críticas da pandemia. Por outro lado, o prefeito foi contra o  desconto e parcelamento do IPTU e auxílio a microempresários, o que juntamente com a falta de apoio dos governos estadual e municipal levou dezenas de milhares de pequenos comerciantes à ruína. Dois pesos e duas medidas: para os magnatas das empresas de ônibus, tudo, para os microempresários, nada.

Duas das medidas mais polêmicas da administração Covas ocorreram logo após a eleição do ano passado: Covas aumentou o próprio salário para nada menos que R$ 35.462,00, um aumento de quase 50%, ao mesmo tempo em que cortava o benefício do passe de ônibus para idosos entre 60 e 65 anos, no que foi visto como uma traição a um grupo que nele votou maciçamente.

No combate à corrupção o desempenho da gestão Covas foi vergonhoso: o Controlador-Geral do município, Gustavo Ungaro, renunciou em protesto a uma lei que beneficiava acusados de corrupção, repetindo um padrão em que os funcionários mais qualificados da prefeitura entravam em choque com as ações destrambelhadas do prefeito e eram ou demitidos ou pediam demissão em protesto.

A quantidade de omissões e erros da gestão Covas é grande demais para resumida neste espaço. Só para citar algumas: durante uma das muitas viagens do prefeito ao exterior, a cidade foi atingida por violentas enchentes. Covas só declarou estado de emergência depois que voltou das viagem... e depois que as enchentes haviam terminado; o abandono de pontes e viadutos da cidade, dois dos quais quase desabaram e foram interditados, porque a prefeitura só tinha investido 5% do valor previsto na manutenção; a privataria da concessão a preço de banana de importantes patrimônios públicos municipais, como o Estádio do Pacaembu (avaliado em 900 milhões de reais, concedido por 111 milhões).

Afora as mortes provocadas por suas ações irresponsáveis durante a pandemia, talvez o grande crime da gestão Covas tenha sido a destruição do Anhangabaú, um dos espaços públicos mais importantes da cidade, por conta um projeto insano que inicialmente o corrupto Haddad tentou impor à revelia dos moradores e comerciantes do Centro, que há décadas clamam sem sucesso por providências básicas do Poder Público como limpeza, segurança e manutenção. O governo do PT jogou o projeto na gaveta assim que a Lava-Jato começou a investigar as empreiteiras amigas, mas foi inexplicavelmente retomado por Covas, que pretendia fazer dele a grande vitrine de seu governo. O resultado é chocante: um exuberante jardim tropical foi transformado num cimentado inóspito e deprimente.

Apresentado como uma novidade na política paulistana, Covas durante sua gestão apenas reproduziu as mesmas velhas práticas da política tradicional: clientelismo, falta de liderança, incompetência, ineficiência, loteamento de cargos públicos, nepotismo, desperdício de verbas públicas, falta de transparência. De novidade, apenas o despreparo,  a inexperiência e a inabilidade política, que o levaram a ser apenas uma peça no tabuleiro das ambições desmedidas de seu patrono João Dória.

Por fim, passados apenas seis meses das eleições, a prefeitura da maior cidade do Brasil agora caiu no colo de um vereador obscuro do Centrão, com acusações de corrupção nas costas e ligações íntimas com a banda podre da política municipal. Um verdadeiro estelionato eleitoral, aparentemente tramado por pessoas que tinham plena consciência do estado terminal do prefeito, a fim de repartir o poder no Brasil como se fosse um bolo: a prefeitura de São Paulo para o PMDB, o governo do Estado para o DEM de Rodrigo Garcia, e a presidência com João Dória e o PSDB. Felizmente, o esquema maquiavélico já está fazendo água.

Que Bruno Covas descanse em paz, mas o legado que deixou para a cidade de São Paulo é um verdadeiro pesadelo, e essa pesada conta nós, os que ficamos, é que teremos que pagar, por muitos anos ainda.


Referências


Sem agenda oficial, braço direito de Covas recebe diárias para acompanhá-lo em viagens: https://painel.blogfolha.uol.com.br/2019/03/05/sem-agenda-oficial-braco-direito-de-covas-recebe-diarias-para-acompanha-lo-em-viagens/?loggedpaywall
Após desgaste, Covas mantém amigos de balada no gabinete https://br.noticias.yahoo.com/ap%C3%B3s-desgaste-covas-mant%C3%A9m-amigos-161000222.html
Promotoria pede a Covas para demitir assessor ou mãe dele da Prefeitura de SP
https://www.acidadeon.com/cotidiano/NOT,0,0,1374874,Promotoria+pede+a+Covas+para+demitir+assessor+ou+mae+dele+da+Prefeitura+de+SP.aspx
Troca política na Educação de Covas coloca em risco continuidade de ações  https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2019/01/troca-na-educacao-coloca-em-risco-continuidade-de-acoes.shtml
Covas diz que mantém cobrança de IPTU durante crise do coronavírus em São Paulo https://agora.folha.uol.com.br/sao-paulo/2020/04/covas-diz-que-mantem-cobranca-de-iptu-durante-crise-do-coronavirus-em-sao-paulo.shtml
Ex-senador Aloysio Nunes assume cargo na gestão Covas em São Paulo https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2020/02/ex-senador-aloysio-nunes-assume-cargo-na-gestao-covas-em-sao-paulo.shtml
MP-SP pede condenação de Bruno Covas por improbidade em viaduto https://noticias.r7.com/sao-paulo/mp-sp-pede-condenacao-de-bruno-covas-por-improbidade-em-viaduto-26022019
Controlador Geral do Município de SP pede demissão após Bruno Covas sancionar lei que tira poderes do órgão https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2020/03/31/controlador-geral-do-municipio-de-sp-pede-demissao-apos-bruno-covas-sancionar-lei-que-tira-poderes-do-orgao.ghtml
Covas promulga projeto de lei que pode criar supersalários em SP https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2019/11/covas-promulga-projeto-de-lei-que-pode-criar-supersalarios-em-sp.shtml
Empresas de ônibus perdem receita, e Covas eleva em R$ 118 mi subsídio na quarentena https://br.noticias.yahoo.com/empresas-%C3%B4nibus-perdem-receita-e-162400902.html
Superlotação no transporte ainda é transtorno após 1 ano de pandemia https://noticias.r7.com/sao-paulo/superlotacao-no-transporte-ainda-e-transtorno-apos-1-ano-de-pandemia-13042021
Decreto da Prefeitura gera corte de 4800 vagas para atendimento de crianças, jovens e idosos https://www.jornalspnorte.com.br/decreto-da-prefeitura-gera-corte-de-4800-vagas-para-atendimento-de-criancas-jovens-e-idosos/
Prefeitura de SP gastou 5,37% do orçamento previsto para manutenção de viadutos em 2018 https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2018/11/16/prefeitura-de-sp-gastou-537-do-orcamento-previsto-para-manutencao-de-viadutos-em-2018.ghtml
Assistência social está sendo precarizada, diz secretário de Covas que entregou cargo https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2019/03/secretario-de-covas-entrega-o-cargo-por-ver-risco-de-precarizacao-da-assistencia-social.shtml
Covas sanciona lei que aumenta seu próprio salário em 46% https://www.terra.com.br/noticias/covas-sanciona-lei-que-aumenta-seu-proprio-salario-em-46,8245e55db3ef5347a3f2f1645970a3d3jlzjlrsd.html
Doria e Covas revogam gratuidade no transporte para idosos entre 60 e 65 anos https://www.cnnbrasil.com.br/nacional/2020/12/23/bruno-covas-revoga-gratuidade-no-transporte-para-idosos-entre-60-e-65-anos
Consórcio privado vence leilão pelo Pacaembu por valor abaixo do previsto por Doria https://www.brasildefato.com.br/2019/02/08/pacaembu-e-entregue-a-iniciativa-privada-por-valor-abaixo-do-previsto-pela-prefeitura
« Última modificação: 20/Maio/2021, 11:45:01 pm por Jorge » Registrado
Páginas: [1]   Ir para o Topo
  Imprimir  
 
Ir para:  

Powered by MySQL Powered by PHP Powered by SMF 1.1.4 | SMF © 2006, Simple Machines LLC XHTML 1.0 Válido! CSS Válido!